domingo, 18 de maio de 2008

Temporariamente longe de Monte Cristo.


"Zatara" é como sou conhecido neste lugar. Nada mais coerente, uma vez que este nome significa "nômade". Mas dispensarei a alcunha e não o serei mais.


Daqui vos fala Edmond Dantes, em 18 de maio de 2008.


A clausura me foi dolorosamente imposta. Na prisão de Chateau d' If amarguei agonias. Por fora, linda. Por dentro, extenuante. Ouro de tolo.


Fui alvo de duas conspirações. Estas me pegaram pela mão e forçosamente me conduziram ao pior dos cárceres: o do conflito.


"Deus me fará justiça" foi a frase que encontrei escrita em todas as paredes de minha consciência, riscada pelos cantos juntamente com o contar dos dias para não perder o tempo que tece a vida.


Clamei por justiça, me desesperei exigindo o que o bom senso afirmava certo.


Em meu cárcere encontrei um bom Padre que me trouxe instrução sobre o que ainda não estava claro. Fiquei desacreditado... disse a ele:

"Padre, não acredito mais em Deus" ...

em seguida me veio a resposta:

"Não importa meu amigo, ele ainda acredita em você".



A questão era o que decidir. Só obtive respostas objetivas quando cheguei por fim à conhecida, porém pouco explorada, Ilha de Monte Cristo.


Um comentário:

raimbowshine disse...

OI! Não só estive aqui como li os textos heim! Bj... Rachel