sexta-feira, 6 de junho de 2008

TRA CIELO E TERRA...















Passam os dias, passam os anos. Inevitável como o tempo que corre é o nosso enfoque sobre a vida que vai se diferenciando. Vamos olhando à luz de outras lentes. O que sobressai a olhos vistos é a percepção mais apurada a respeito de qual o caminho seguir. Nos damos conta de que a vida é na verdade um bloco de pedra a ser esculpido. Que forma ele terá? será uma obra grandiosa? ou será medíocre? Dependerá do esmero dos artistas: Todos nós.

Para que sejamos bem sucedidos na conclusão da obra, necessitamos fazer uma releitura tendo como pontos chave, acertos e erros. Quanto aos primeiros, devemos considera-los como impulsos, apostar neles. Sobre os segundos, devemos avalia-los não com um sentimentalismo de culpa, mas sim, carregados de auto crítica. Nem sempre é fácil repensar o que foi (ou o que é) incorreto em nós mesmos porque tendemos a camuflar as nossas imperfeições. Tal procedimento pode acarretar alguns conflitos, mas é certo que sem eles não há progresso.
Sobretudo, alem dessa necessidade de nos reinventarmos a cada fase da vida, precisamos não deixar de lado e desenvolver duas virtudes essenciais para uma existência feliz:
Primeiro: Aprenda a perdoar. Aqueles que não sabem perdoar não são felizes, por mais que demonstrem ser, não são. Pura fachada. Isso porque mágoas corroem internamente e onde quer que se esteja, elas estarão junto à você. Shakespeare definiu bem este estado quando certa vez afirmou que "o ressentimento é um veneno que você toma querendo que o outro morra."



Segundo: Igual em importância é o sentimento de gratidão. Agradeça sempre. Uma porta que se fecha pode ter o propósito de te indicar outra direção. Por isso tenha sempre em mente que a vida guarda coisas boas em sua caixinha de surpresas. Alem disso, seja grato a quem lhe concede um sorriso, um abraço, um presente, um aviso, uma gargalhada, um ombro ou até uma bronca. Faça sempre favores, por mais simples que sejam. "Obrigado" é a palavra do dia. Palavra é semente.












Um comentário:

Diannus do Nemi disse...

.

Sabe que é mesmo verdade? A vida, de fato, é uma ferramenta na qual acredito que muita gente ainda não aprendeu a usar.

Viver é uma arte, caro amigo.

Só que o mais interessante é que uma arte na qual são poucas as coisas que precisamos pra construir, experimentar e terminar.

Basta querer e ter o coração puro.

"Porque quem vive a vida como uma obra de arte, o coração toma o lugar da cabeça"

Forte abraço, virginiano. :D

.