sábado, 4 de abril de 2009

Primeira da série: Porque essas bandas acabam? (VIXEN)




















Antes delas, o Hard Rock tocado por mulheres era desacreditado, a mídia torcia o nariz para uma banda de hard feminina. Outras bandas com o mesmo foco foram para o buraco. O Vixen, formado no final dos anos setenta, só veio a despontar no final dos oitenta e início dos noventa. Da mesma forma que chegou, foi embora, elevando à milésima potência o ditado "tudo o que é bom dura pouco". Nesse caso, o que era ótimo não durou o bastante. As integrantes planejam uma volta em breve. Torço bastante para que isso aconteça. Fico me perguntando quando ouço o Vixen tocar porque esta banda acabou tão rápido. Uma pena.
O problema foi que os anos 90 vieram para acabar com o hard rock. Era a vez do (argh!) grunge. Até a MTV, que havia ajudado a banda a colocar três hits na lista das mais executadas, fechou suas portas. O Vixen não aguentou a pressão e se dissolveu por oito anos.
Após essa longa pausa lançaram um disco mediano (Tangerine - 1998). O disco não é de todo ruim, mas está longe de ser o melhor trabalho da banda. Na verdade as faixas seguem uma linha mais alternativa, sonoridade completamente estranha aos ouvidos dos antigos fãs (como eu). Até gosto de algumas faixas - air baloon, por exemplo - porém não deixo de me perguntar: "isso é mesmo Vixen?".
Lançaram dois grandes álbuns: Vixen (1988) e Rev it up (1990) pela EMI, sobre os quais posso dizer com todas as letras que suas faixas, sem exceção, são maravilhosas! Segue o vídeo de "How much love", do álbum "Rev it up" de 1990:

Vixen: Janet Gardner (vocal) Roxy Petrucci (bateria) Jan Kuehnemund (guitarra) e Share Pedersen (baixo)
ROCK ON!!!!!!!!!!!!!!!!!!


Um comentário:

Cleber_mc disse...

Parabéns pelo Blog!